Aplicações Financeiras

Aplicações Financeiras

Se você ainda não está por dentro dos principais termos usados no mundo financeiro, clique aqui e acesso o dicionário do economês que preparamos para você. Agora, se você já conhece um pouco mais sobre o mercado financeiro, entenda como funcionam as aplicações financeiras.

O que são aplicações financeiras?

Podemos considerar que o termo “aplicações financeiras” significa o ato de comprar um ativo ou título oferecido em uma instituição financeira com objetivo de obter maior retorno sobe o valor depositado.

Em outras palavras, as aplicações financeiras são uma forma de fazer seu dinheiro render, seja por meio dos títulos públicos de um governo ou comprando uma participação de uma empresa de capital aberto por meio das ações em uma bolsa de valores.

Um ponto muito importante para ter em mente antes de começar a realizar aplicações financeiras é que a relação entre rendimento e risco é proporcional, ou seja, investimentos com percentual de rendimento altos tendem a ter riscos mais altos e vice e versa.

Quais são os tipos de aplicações financeiras?

Existem dois grandes tipos de aplicações financeiras, o de renda fixa e o de renda variável. A principal diferença entre eles é o risco.

Os investimentos de renda fixa permitem que você tenha certa previsibilidade sobre o rendimento antes mesmo de aplicar o dinheiro, o que garante menor risco e, consequentemente, menor “lucro”.

No caso dos investimentos de renda variável, como o próprio nome já diz, o rendimento varia conforme o tempo por diversos motivos. Esse é o tipo de investimento que pode oferecer mais rendimento para você e mais risco de perdas. Por conta disso, ele é aconselhável para pessoas mais experientes nesse mundo.

Confira abaixo alguns exemplos de aplicações financeiras:

O que são LCI e LCA?

Você já parou para pensar quanto custa para construir um prédio? A Letra de Crédito Imobiliário, ou simplesmente LCI, é um investimento de renda fixa emitidos pelos bancos para reunir recursos e realizar empréstimos para construção desses empreendimentos.

Já a LCA, Letra de Crédito do Agronegócio, são títulos emitidos por instituições financeiras para realizar empréstimos para o setor agropecuário.

A forma mais comum desses tipos de investimento é o pré-fixado, que tem a rentabilidade definida no momento da compra. Uma característica interessante desses tipos de investimento é que eles não têm cobrança de Imposto de Renda e, como já falamos aqui, tem o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) zerado após 30 dias de aplicação.

Tesouro Selic

Os títulos públicos, empréstimos feitos para o governo federal por meio da venda de papéis emitidos pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN), estão disponíveis para todos desde 2002 na plataforma Tesouro Direto e são considerados como o investimento de menor risco.

O Tesouro Selic, uma das diversas opções desse tipo de investimento, é um título com rendimento pós-fixado, pois depende da variação da Taxa Selic. Seu rendimento é de 100% da Taxa Selic e sua liquidez é diária, permitindo resgate sempre que necessário.

Um detalhe importante desse tipo de investimento é que, diferente do LCI e LCA, ele sofre a cobrança de Imposto de Renda e IOF, caso o resgate seja feito com menos de 30 dias do investimento. Quer saber mais como funciona a cobrança desses impostos? Clique aqui e confira todos os detalhes!

Ações

O investimento em ações é um do mais comuns e conhecidos da renda variável. Empresas de capital aberto negociam suas ações na bolsa de valores, permitindo que qualquer pessoa se torne sócio da empresa.

Caso a empresa esteja indo bem, as ações valorizam e você pode vende-las, obtendo lucro. Porém, caso a empresa tenha algum problema que faça ela perder valor de mercado, o valor da ação cai e, com isso, seu rendimento também é impactado.

Fundos de Investimento

O fundo de investimento é uma modalidade de investimento coletivo, ou seja, diversos investidores reúnem seus recursos para que um investidor profissional faça a aplicação conforme acordado no regulamento do fundo.

Nesse caso a aplicação pode ser feita em fundos de renda fixa (FIRF), em renda variável por meio de ações (FIA) ou até mesmo em fundos que unem os dois tipos de investimento, fundos multimercados (FIM).

Já deu para perceber que existe uma grande possibilidade de investimentos, certo? Vale lembrar que não existe um melhor que o outro e sim o que se encaixa melhor nos seus objetivos!

Fique ligado aqui no DigioBlog e confira mais conteúdos sobre esse e outros assuntos!


Compartilhar o artigo