Chaves Pix: vamos falar sobre elas? Entenda o que são e para o que servem

Chaves Pix: vamos falar sobre elas? Entenda o que são e para o que servem

No texto de hoje a gente esclarece todas as suas dúvidas, vem ver!

Agora que você já sabe o que é o Pix (e, se não sabe, é só ler esse texto aqui ), vou te explicar sobre um dos aspectos mais importantes desse novo meio de realizar e receber pagamentos, as chaves Pix!

As chaves de endereçamento, conhecidas apenas como chaves Pix, são como um “apelido” para a sua conta.

Elas existem para deixar suas transações mais rápidas e seguras porque, com elas, não será necessário compartilhar seus dados pessoais e bancários. Basta informar sua chave ao pagador.

Quando o pagador digitar sua chave ou ler o seu QR Code no celular, o sistema irá identificar que aquele “apelido” está vinculado a sua conta e, assim, o pagamento poderá ser finalizado de forma rápida, segura e sem risco de erros de digitação — como é comum em uma TED ou DOC, por exemplo.

Quem coordena esse processo de validação é o DICT, o Diretório de Identificação de Contas Transacionais, sob orientação do Banco Central (BC), a entidade do governo responsável pelo Pix.

Quais dados cadastrar como chave Pix?

O BC permite que você use seu CPF, o número do seu celular ou um endereço de e-mail como chave Pix. Porém, cada um desses dados, só poderá ser vinculado a uma única conta bancária.

Além das opções de chave que falei acima, ainda existe a chave aleatória — sequência de números, letras e símbolos gerados aleatoriamente — que permite fazer transações sem compartilhar nenhuma de suas informações pessoais.
Nesse caso, você poderá gerar chaves aleatórias em quantos bancos desejar, sem precisar de Portabilidade.

Seguro né?

Como expliquei, a mesma chave nunca poderá estar associada a duas contas diferentes e, por conta disso, foram criados pelo BC os processos de Portabilidade e Reivindicação de Posse.

Portabilidade: poderá ser solicitada para seu CPF, número de celular e e-mail. Esse processo será aplicado para transferir sua chave de um banco para o outro. Ou seja, se seu CPF estiver cadastrado como chave no “Banco A” e você decidir cadastrá-lo como chave “Banco B”, basta realizar a portabilidade.

Para trazer sua chave cadastrada em outro banco para a DigioConta, por exemplo, você terá que acessar o aplicativo Digio e solicitar a portabilidade. Depois, terá que confirmar essa solicitação no app do outro banco (onde sua chave estará cadastrada). Após essa confirmação, sua chave já será vinculada a sua DigioConta e você poderá receber nela suas transações via Pix.

Ainda falando de número de celular e e-mail, para esses casos ainda existe um um processo chamado “Validação de Posse”, uma comprovação simples e eficiente que identifica e confirma quem é o real “dono” naquele celular ou e-mail. Mas fique tranquilo, essa etapa e totalmente digital e rápida feito um foguete.

Reivindicação de Posse: poderá ser solicitada apenas para seu e-mail e número de celular. Como o próprio nome diz, esse processo será usado para reivindicar a posse de uma chave. Ou seja, caso você tente cadastrar seu e-mail ou número de celular e o sistema identificar que já estão cadastrados em outra conta bancária com um CPF diferente do seu, o processo de reivindicação poderá ser iniciado.

Nesse processo, será necessário comprovar a posse da chave por meio da validação de um token que será enviado para o celular ou e-mail que está sendo reivindicando. Dessa forma, só a pessoa que possui acesso a eles conseguirá validar e confirmar que é o verdadeiro dono dessa chave.

A partir de 5 de outubro — data definida pelo Banco Central — você já poderá cadastrar suas chaves Pix na sua DigioConta, acessando o menu Pix que estará disponível na tela inicial do DigioApp.

Em breve eu volto com o passo a passo completo 😉

Fique ligado aqui no blog e nas redes sociais do Digio para não perder nenhuma novidade.